quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Os piores filmes de 2015

Assim como tivemos muitos filmes bons em 2015 também tivemos muitas bombas. Talvez você discorde de alguma escolha dessa lista e alguns deles talvez não seja péssimo, mas um fator ou outro contribuíram para que eles estivessem na lista. Vamos lá...


A Escolha Perfeita 2


O primeiro filme de 2012 foi um estrondoso sucesso. Nos EUA principalmente. E ele era realmente muito bom. Beca (Ana Kendrick) vai para a faculdade contra a sua vontade (pois quer ser DJ) e lá ela entra num grupo de coral acapella. O elenco no primeiro filme trabalhou muito bem junto, todas tinham o seu jeito de fazer comédia e as piadas eram realmente boas, fora as ótimas apresentações com musicas populares. Aquela cena da batalha musical foi uma das melhores coisas do longa. Mas ai me vem o A escolha perfeita 2 e tira todo o encanto da ideia original. Elas estão ali fazendo exatamente a mesma coisa, só que agora Beca tem um emprego e o grupo está meio afastado. Tem a adição de Hailee Steinfeld que não acrescenta em nada e só faz tudo ficar mais chato. As musicas são má interpretadas e a canção original do final é totalmente descartável. Não teve momentos engraçados e muito menos memoráveis. É o tipo de filme pra se ver na sessão da tarde. (isso se você não tiver nada melhor pra fazer) nem de longe é o sucesso que foi o primeiro.

Velozes e furiosos 7


Nunca fui muito fã da franquia. Não sou fã de carros tonados e corridas. Admiro alguns carros, mas só isso. Portanto a falta de enredo de Velozes e Furiosos e o excesso de cenas de ação e velocidade nunca me encheram os olhos. Este ultimo só fui assistir no cinema porque estava curiosa para saber o que fariam com Brian (Paul Walker) queria ver a homenagem e tal, homenagem essa que durou alguns poucos minutos em cena. O filme foi longo demais e por isso se tornou cansativo. A falta de um bom roteiro e o excesso de bundas na tela em 3D também contribuiu bastante para que ele entrasse nessa lista.


Os vingadores 2: A Era de Ultron


Esse é o único da lista que eu não queria que estivesse aqui e esse é aquele que eu falei ali em cima. Ele não é de todo ruim, mas também não foi aquilo tudo que prometeu! O primeiro Vingadores é um dos meus filmes preferidos, assisto um milhão de vezes e na época que saiu obteve muitas criticas positivas, ao contrário desse. Eu estava com as minhas expectativas lá no alto e esperava que realmente iriam prosseguir naquela formula que deu tão certo no primeiro. Mas ai foi surgindo trocentos trailers (todos com cenas incríveis de batalha) e mesmo assim eu acreditava que aquilo não influenciaria na apresentação do produto final, mas infelizmente todos aqueles trailers eram o produto final. Todas as grandes cenas estavam nos trailers e quem assistiu ao filme não teve surpresa nenhuma (a não ser a tal morte) isso prejudicou muito o filme. Imagina a surpresa que teríamos ao ver a luta com a hulkbuster apenas no cinema? Ia ser sensacional e por mais que o filme fosse ruim nós só conseguiríamos lembrar-se da luta. O roteiro não foi muito bem desenvolvido, se perdendo em pequenas coisas e dando foco para outras insignificantes. A direção também não estava das melhores. O vilão foi perdendo a onipotência durante o filme (nos fazendo sentir muita à falta do Loki) dando vez para outros personagens melhores. O que salva é apenas o elenco e os efeitos especiais. É uma pena dizer isso do filme que até um ano atrás eu tinha certeza que estaria na minha lista dos melhores L


O Quarteto Fantástico


Quando as primeiras imagens do filme saíram todos pensaram que esse reboot seria a salvação para os primeiros e desastrosos filmes dos heróis, mas ele conseguiu ser muito pior do que aqueles. Atuação mediana (por parte de grandes atores do momento) efeitos especiais ruins, trama sem pé nem cabeça e resoluções medíocres. Isso foi o novo quarteto fantástico.

Cinquenta tons de Cinza


A maioria das pessoas odiou esse filme. Isso é unanime! E o filme faz jus ao ódio, pois pecou em praticamente todos os aspectos possíveis: direção, roteiro, fotografia, atuação e etc.. a única que se saiu melhorzinha foi Dakota que aliviou um pouco das chatices da insuportável Anastácia do livro. Mas os outros do elenco são muito ruins. Jaime Dornan é um colírio para os olhos e apenas isso, mesmo com mais cara de colírio da capricho do que de sádico sexual. A única coisa boa do filme é a trilha sonora. As musicas de artistas populares no momento são muito boas. Inclusive Love Me Like You Do da Ellie Goulding está concorrendo ao Globo de ouro como melhor canção original. Apesar de tudo tenho que lhes confessar que ainda gosto mais do filme do que do livro. É menos doloroso e chato.

Os melhores filmes de 2015

Eu sei que todo ano as pessoas falam a mesma coisa: esse foi o ano dos reboot e continuações! Mas esse realmente foi o ano deles. Não teve muitos filmes de heróis como os anos anteriores com aquela enxurrada mas isso ficará a cargo de 2016. Mas os filmes de maior sucesso do ano foram remakes. O mais bem falado foi remake, os de maior bilheteria foram continuações de franquias bem sucedidas do passado e que foram bem sucedidas esse ano também. Eu sei que está faltando originalidade no cinema. Produtos inéditos. Mas todos esses filmes nos fizeram se divertir muito esse ano e isso é o que importa. É uma pena não ter títulos independentes na minha lista e nem muitas produções nacionais, é uma pena os blockbusters terem predominado mais uma vez, mas isso é o cinema atual e todos esses filmes foram os melhores que assisti esse ano. Talvez falte algum outro filme MUITO BOM desse ano mas se não está aqui é porque passou despercebido por mim. Me indiquem nos comentários.

Mad Max: Estrada da fúria


Quem diria que um Mad Max sem o Mel Gibson daria tão certo! Na minha humilde opinião esse é o melhor Mad Max já feito. Muito melhor do que os filmes do passado. Tanto que está em absolutamente todas as listas de melhores do ano. Tom Hardy com seu Max tem sua melhor performance até agora mas quem rouba a cena é a Charlize Theron como a imperatriz furiosa. Mad Max foi sucesso de critica e bilheteria. E já se fala em fazer filmes solos da Furiosa... oremos! E os machistas gonna hate hate hate hate hate.


Kingsman: serviço secreto


A coisa que eu mais gosto na vida é ir ao cinema e ser surpreendida. Ir sem expectativa nenhuma e sair alucinada com o filme, e assim foi com Kingsman. Quando vi o trailer em uma exibição anterior eu pensei: outro filme de espião! Mas ai quando foi lançado começou um reboliço por parte das pessoas que o tinham visto. Todos alegavam ser uma das melhores coisas já feitas e quando assisti eu vi que estavam certos. O filme tem ação, humor britânico, sátira aos filmes de 007 e o Samuel L Jackson com roupa de rapper e falando com a língua presa! Quer mais motivos para assisti-lo? Outro motivo: Taron Egerton que faz o protagonista, ele é uma gracinha e Colin Firth ta um gato nesse filme.


Homem Formiga


Esse foi o filme da Marvel que eu estava menos animada para assistir. Já estava começando a ficar saturada dos milhares de filmes de heróis (e olha que eu adoro esses filmes) mas eu tenho um ritual: tenho que ver os filmes da Marvel no cinema! E lá fui eu ver o Chapolin colorado do estúdio e ainda bem que eu fui! O filme é super diferente das outras produções. Tem humor britânico, tem herói pé no chão, ferrado e gente como a gente e principalmente tem herói pai. Um pai que está tentando fazer tudo pela filha. Tem boas atuações (principalmente dos coadjuvantes e migos do herói) e foi uma total revitalização para os próximos filmes.


Que horas ela volta?



Esse é o único filme brasileiro da lista. Infelizmente. Mas não poderia deixar de citar ele. Ele é o típico filme que fala com o telespectador. Que dá um tapa na nossa cara e aponta os nossos erros. E tudo gira em torno de Val (Regina Casé) uma empregada batalhadora como tantas que conhecemos e que sofre com os abusos dos patrões como tantas que conhecemos também. Esse filme é a melhor forma de protesto da classe trabalhadora, pois os abusos cometidos pelos patrões não são apenas as empregadas que sofrem, mas muitos outros de diversas profissões. Todos deveriam assistir e repensar seus atos como empregadores e empregados.

Meu Review do filme: http://speakcinema.blogspot.com.br/2015/10/review-que-horas-ela-volta.html


Star Wars – O despertar da força


E agora voltamos aos filmes comerciais... esse é o rei deles! Faturou muito nas bilheterias, graças a publicidade do estúdio e também da free publicidade por parte dos fãs e de toda uma legião nerd. Os efeitos aprimorados, o ótimo elenco, o senso de humor e a revisitação dos antigos personagens foram suficientes pra garantir o sucesso. Foi muito bem de critica também, vamos ver se daqui a alguns anos as criticas positivas continuaram as mesmas. Esse foi o ultimo grande filme do ano.



Divertida mente


Considerado a grande volta da Pixar, fazia tempo que uma animação não me emocionava tanto. Esse é aquele típico filme infantil pensado para os adultos. As crianças podem boiar em algumas coisas, mas ele nunca será uma experiência pouco prazerosa, seja para qualquer faixa etária. Tem bom roteiro, o processo de animação é muito bem feito (assim como todos os trabalhos da Pixar) e nos faz rir e chorar. Mexe realmente com todas as nossas emoções. Além dos grandes ensinamentos. O maior e melhor deles: Não há felicidade sem tristeza.


Perdido em Marte


Esse filme vi recentemente e me arrependi amargamente de não ter visto no cinema. Ficou pouco tempo no cinema da minha cidade, aparentemente tinha algum muito mais comercial a ser exibido e por isso pedi a chance. Vendo no cinema ou não assisti-lo é uma experiência incrível (mas no cinema deve ter sido mais ainda, ok, parei) ele é uma verdadeira aula de química e sobrevivência. Mark o personagem de Matt Damon (que além de estar ótimo nesse filme também está muito bonito) é abandonado em marte (mesmo que sem querer querendo) e precisa sobreviver até que alguém vá busca-lo. ele explica coisas que na aula de química pode parecer chato mas no filme se torna sensacional. Ele vira o primeiro a cultivar plantas em marte (solo que não é fértil) produz água e etc.... isso é ciência! Apesar dos pesares do protagonista o filme tem uma boa vibe, Mark é otimista e bem humorado. Todo elenco está acima da média. E a trilha sonora disco é maravilhosa e a prova do quanto o filme é diferente e legal.

Jurassic World


Essa continuação da trilogia Jurassic park está figurada em algumas listas dos piores filmes de 2015 e as criticas não foram todas favoráveis, eu admito algumas falhas mas o acho um dos melhores filmes desse ano justamente pelo fato de ter sido um dos que mais me empolgou no cinema. Sou muito fã da trilogia de Steven Spielberg, o primeiro filme é sem duvida um dos filmes que mais assisti na infância e ainda hoje consigo assistir umas 200 vezes mais. Simplesmente amo e dá para imaginar a empolgação de vê-lo no cinema. Claro que ele não chega nem perto do primeiro filme mas supera fácil suas continuações. Chris Pratt é sempre adorável em cena, mesmo bancando o galã sério que você acha que vai soltar uma palhaçada a qualquer momento, como é de costume, ele até solta umas piadinhas, mas sempre mais contido. E só de ver Dinossauros em 3D já vale o ingresso!


O Pequeno Príncipe


Para alguns essa revisitação ao clássico livro de Antoine de Saint-Exupéry foi bem mediana e eu concordo em alguns quesitos. O filme não é sobre o Pequeno príncipe ele aparece algumas vezes só para o prazer dos mais nostálgicos fãs desse livro tão querido. A protagonista é uma menina que vive uma vida muito adulta e aos poucos vai se tornando criança novamente junto com seu novo vizinho. O aviador do livro. Da metade para o final ele se perde um pouco e parece ser um filme completamente diferente. Ver o pequeno príncipe como um adolescente fracassado é um soco no estomago. Parece que toda sua esperança se esvarria mas logo o filme retoma a narrativa esperançosa e nos faz se emocionar. Eu demorei anos para ler O Pequeno príncipe e quando o fiz fiquei apaixonada, o filme não pode ser uma produção 100% perfeita mas é uma carta de amor aos fãs do livro.


Jogos Vorazes: A Esperança O final


Ok, esse ultimo filme da franquia adolescente Jogos Vorazes não foi o melhor deles. Para mim o melhor foi o Em Chamas, mas como ele fechou um circulo e de forma ponderada não poderia deixar de falar dele. Katniss quer matar Snow para que todo o sofrimento acabe mas no caminho ela vai percebendo quem são seus maiores inimigos no momento e o final ela segue em frente com toda essa loucura de ser líder do povo, o tordo, a voz da rebelião. Ela nunca quis realmente isso, ela queria estar viva e ver as pessoas que ela ama vivas. Ela não queria a causa que foi jogada no colo dela e por isso o final é tão adequado, mesmo que frustrante.

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

My New Obsession: Obsessions de 2015

Esse ano criei aqui no blog a sessão “My New Obsession” que nada mais é do que a minha obsessão da vez (sou cheia delas) seja um ator, série, whatever. Todos os posts que fiz até agora foram sobre atores então vou fazer uma retrospectiva com vocês sobre as minhas obsessions de 2015 e vou acrescentar quatro atores que fazem dois casais muito shippaveis (um dia eu vou parar com essas gírias de internet eu juro) rs mas enquanto isso vamos lá....


Tom Hiddleston

Inaugurei esse novo espaço com a minha obsessão por Tom Hiddleston. A postagem fez muito sucesso graças ao exercito de hiddlestoners que encontramos nas redes sociais. Minha admiração e paixão pelo ator não mudou e continuo louca pela sua figura dentro e fora das telas. Em 2016 veremos muito sua carinha, ele estará em I Saw The Light, onde ele interpretará Hank Williams um cantor country e atuará ao lado da sua colega de Marvel Elisabeth Olsen e também estará em Righ-Rise sobre uma luta de classes dentro de um prédio. Com certeza muitos projetos ainda virão...


Charlie Cox


Best friend de Tom, Charlie chama a atenção por seu sorriso e seu talento, também tem outros atributos, só as coxers sabem (sim, temos que inventar um nome melhor) Comecei a admira-lo assistindo sua série na netflix, obviamente, e o acompanho desde então. Seu jeito tímido o deixa mais charmoso ainda. Sua simpatia também é um grande atrativo. Em 2016 o veremos na 2° temporada de Demolidor. Oh ansiedade! O trailer oficial também está próximo.


ps: faço parte da equipe do site Charlie Cox Brasil, dá uma olhada no nosso site também: http://charliecoxbr.flaunt.nu/

Lee Pace


Dono de 1,96 de puro charme Lee também tem talento de sobra (isso ta parecendo àqueles programas do E!) mesmo fazendo personagens maquiados e com muita caracterização sua beleza é aparente. Comecei e virar fã de Lee quando assisti Pushing Daisies, uma das séries mais fofas e bonitas esteticamente, que eu já vi, é impossível não se apaixonar pelo Pie Maker Ned <3 Ele faz a série Halt and catch fire. Vamos torcer pra que venham muitos projetos em 2016.


Johnlock


Todo mundo que assiste Sherlock shippa Johnlock. Sherlock e John são melhores amigos e se amam tanto que quase dá pra sentir uma faísca de romance. Tem vídeos, tem fanfics, tem desenhos, tem colagens, tudo em prol da junção desse casal e os criadores trazem muito desse desejo do publico para a série botando cenas que nos faz suspeitar de que aquele relacionamento vá além da amizade. Mas é claro que até então o que prevalece MESMO é amizade linda dos dois. E a química incrível do Benedict cumberbatch com o Martin Freeman.

Mas será o Benedict?


Antes de começar a assistir Sherlock eu torcia o nariz pra aquelas pessoas que nominavam o Benedict como o ser mais lindo de todas as galáxias. Eu não o achava nem sequer bonito mesmo ele estando beeem bonito em Star Trek com a roupa apertada e o cabelo bem penteado para trás. Daí comecei a assistir Sherlock e tudo mudou. Minha visão sherlockiana se expandiu e assim como todas as meninas do twitter também me apaixonei pelo Benedict. Seu talento, sua voz e seu charme foram um dos fatores para isso acontecer e hoje o acho maravilhoso (obs: minha mãe concorda)

Coelhinho!


O Martin já foi outra historia. Já o achava muito fofo em O Hobbit. No filme ele parecia muito jovial e saber que ele não era tão jovem como aparentava ser nele... me fez gostar mais ainda! Seu personagem Bilbo foi o motivo principal para eu dar uma segunda chance aos filmes baseados nas obras de Tolkien. Nunca fui muito fã de Senhor dos anéis, hoje consigo assistir sem dormir na metade, mas antes era quase impossível. Por isso gostei muito mais da trilogia O Hobbit, mesmo sabendo que ela é muito mais inferior a Lorde of the Rings. Mas pra mim ela vence na categoria protagonista. Portanto minha motivação a assistir Sherlock foi Martin Freeman e ao assistir fiquei mais derretida ainda. Ele está tão bem interpretado e tão fofo que o apelidei de Coelhinho. (ridículo eu sei, mas me deixa)

Hannigram.


Outro casal muito shippável da internet e das séries é Hannibal Lecter e Will Graham. Na verdade eles são inimigos, ou melhor, deveriam ser, mas não é isso que realmente acontece. Um tem uma admiração muito grande pelo outro. Hannibal se ama tanto que admira e poupa a vida de Will simplesmente por enxergar muita coisa dele nele. Já Will admira a sagacidade e a inteligência de Hannibal e em certo ponto se sente tentado a seguir seus passos, afinal aquilo seria muito interessante. Mas ele luta internamente para não se transformar naquele que a sociedade caracteriza como monstro (e é, mas a gente gosta não sei por que)

Master Chef Canibal


Mads Mikkelsen interpreta o canibal mais famoso do cinema de uma forma muito única. Ele trás uma nova roupagem ao personagem (e não me refiro aos ternos quadriculados ridículos rs) mas entrega um personagem excepcional e modelado por ele. Seu jeito sereno de articular os crimes e as pessoas é magistral. Além do dr Letter, Mads é um rosto conhecido no cinema mesmo que passe despercebido algumas vezes. Ele é o tipo de ator que você pensa “Já vi ele em algum lugar, mas não lembro onde” um dos melhores filmes que vi dele foi o A Caça, um filme dinamarquês de 2012 que possui um roteiro muito bem desenvolvido e que nos faz parar pra pensar antes de acusar as pessoas. Está disponível na Netflix.

O agente do FBI que “fala Prada”


Conheci Hugh Dancy em seu trabalho em Hannibal, que foi onde ele ganhou mais notoriedade. Seu personagem Will é bastante fechado e quase não sorri, mas quando isso acontece suspiramos, tanto porque é raridade na série quanto porque ele fica muito fofo sorrindo. Seu personagem apesar de sociopata (como Hannibal e Sherlock) possui um lado doce. Ele não é um idiota com as mulheres e quando surge um interesse romântico ele não pestaneja, ele simplesmente se entrega e esse é o mais legal dele, ele não está fechado para relacionamentos, os relacionamentos que parecem estar fechados para ele. E o fato dele ter vários cachorros lindos é um bônus. Hugh atuou em vários filmes, entre eles duas comédias românticas muito divertidas, Um garota encantada, de 2004 e Os delírios de consumo de Becky Bloom onde ele faz Luke Brandon um advogado que “speak Prada” Will fashionista?

E que venham muitas outras Obsessions em 2016!

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

As Piores Series Que Assisti em 2015

Esse ano tivemos muitas séries boas, como você pode ver aqui: http://speakcinema.blogspot.com.br/2015/12/as-melhores-series-que-assisti-em-2015.html Mas também teve muitas bombas. Esse post é sobre as piores séries que assisti esse ano, venha odiá-las comigo.


Wet Hot American Summer: First Day of Camp


Essa é uma rara exceção da premissa de que todas as produções originais da Netflix são boas. A série é originada do filme de mesmo nome. Nunca o assisti mas dizem que foi um grande sucesso, foi lançado em 2001 e muitos dos seus atores voltaram para a série. Além deles a série também trouxe novos personagens interpretados por grandes nomes do cinema. Com grandes estrelas no elenco e um trailer maravilhoso fiquei super animada para a série mas me decepcionei desde o 1° episódio, fui esperando ela melhorar mas nada acontecia. As atuações medianas (até de atores de peso) as piadinhas sem graça e o besteirol forçado continuavam. Tanto que nem cheguei a ver o último episódio, nem a curiosidade para ver a cena de sexo gay com o Bradley Cooper me motivou.

Supergirl


Essa é mais uma série de heróis que comecei a assistir e deixei pelo caminho, não consegui me animar com ela, ela é tão genérica que cansa, o piloto deixou muito a desejar, mas essa é a única da lista que talvez farei o esforço de continuar assistindo. Meu review sobre o piloto: http://speakcinema.blogspot.com.br/search/label/Supergirl

Fear the Walking Dead


Fear é um prelúdio da série de sucesso The Walking Dead, mostra o começo da manifestação do vírus e os primeiros ataques zumbis. Só que ela não fala a causa do vírus só mostra os primeiros casos. Todos que estão acostumados como ritmo de TWD podem estranhar a calmaria dessa, pode até ter uma cena ou outra de correria mas é muito raro e logo estão todos conversando sobre questões familiares. Essa foi outra série que criei muita expectativa e acabei me frustrando.

Scream 


Essa é uma serie adolescente no maior estilo Pretty Little Liars. Ela é derivada do filme de terror Pânico e mostra a volta do Gost face para aterrorizar a cidade. Não é a pior série dessa lista, até conseguimos assistir sem ferir nossa reputação, mas ela é muito parecida ao que já vimos em outras series adolescentes e por isso se torna cansativa. Além do elenco muito fraco. Meu review da série: http://speakcinema.blogspot.com.br/search/label/Scream

2°temporada de True Detective


Depois do sucesso que foi a 1°temporada de True Detective essa tinha uma grande responsabilidade e um nome a zelar. Com um elenco completamente novo ela se passa em outra cidade e com varias investigações novas. Essa não tem nem comparação a 1° temporada que foi sensacional. Essa se perdeu pelo caminho com sua trama cansativa e enrolada. Se tiver uma nova temporada em 2016 (provavelmente comum elenco diferente) pensarei duas vezes em começar a assistir, pois essa deixou traumas. Meu review sobre ela: http://speakcinema.blogspot.com.br/search/label/True%20Detective

As Melhores Séries Que Assisti Em 2015

2015 foi um ano muito bom para os seriáticos. Muitas estreias boas e novas temporadas melhores ainda. Vou terminar o ano sem ver alguns sucessos como How I Get Away with Muder e Bates motel, que eu queria muito ter começado esse ano, mas não deu pela superlotação da lista de séries e pela superlotação da vida.

Por isso nesse post vou falar sobre as séries que eu mais gostei de assistir esse ano. Algumas não são desse ano, umas, por exemplo, já tem bastante tempo, mas só vi agora e como amei, não poderia deixar de falar delas.

Demolidor


A série é sobre Matt Murdock, um advogado de dia e vigilante durante a noite. Ela foi a maior surpresa do ano, pois ninguém estava seguro de que daria certo depois do fracasso que foi o filme com o Ben Affleck. Eu fiz um review sobre a série que você pode ler aqui:http://speakcinema.blogspot.com.br/2015/05/review-serie-o-demolidor.html e o Charlie Cox foi uma das minhas obsessions do ano, também escrevi um post sobre isso que você pode ler aqui: http://speakcinema.blogspot.com.br/search/label/Charlie%20Cox

Sherlock


TODO MUNDO assistia Sherlock, menos eu, fazia tempos que tinha curiosidade pra saber se a série era tão boa como todos falavam, comecei há assistir esse ano e amei! Ela é tão bem feita e possui tantas qualidades, tanto nos níveis técnicos quanto no quesito atuação e roteiro. Benedict e Martin Freeman tem uma química maior do que muitos casais por ai e a dinâmica dos seus personagens tornam tudo melhor. Ainda não escrevi um review sobre a série, mas provavelmente escreverei quando sair o episódio de natal. Agora sou oficialmente parte do time que sofre com os longos hiatus da série.

Hannibal


Essa é uma série sobre a vida de Hannibal Lecter antes da prisão, são fatos anteriores aos filmes clássicos. Hannibal é uma série que blowing my mind de tão incrível que ela é, apesar da lentidão dar um pouco de sono algumas vezes ela logo te trás de volta com uma revelação bombástica ou uma morte sinistra. A série também dá um show em atuação. Mads Mikkelsen, Hugh Dancy, Laurence Fishburne e até o elenco secundário são excelentes. A fotografia soturna, a trilha sonora baseada nos ruídos e algumas formas que as cenas foram filmadas, principalmente as de make love (é muito melhor,demorô) foram feitas como jamais vistas na tv, talvez tenha sido esse o motivo do cancelamento. O publico não teve "estomago" para ela. Tanto para as mortes pavorosas (e bem servidas pelo master chef) quanto para toda filosofia implícita. Foi uma pena ter sido cancelada e foi uma pena eu não ter acompanhado junto com os outros fãs da série.

Mr Robot


Essa é uma série sobre um hacker que é recrutado pelo Mr Robot e a fsociaty para destruir a firma para quem ele trabalha. Comecei a assisti-la depois de muita indicação, mas não achava que ela poderia ser isso tudo que todos estavam falando até que vi que ela era tudo aquilo e muito mais. Uma mistura de filme de hacker, clube da luta e V de vingança. Essa é uma série que trabalha muito nosso psicológico, fazendo uso de um narrador e quebrando a quarta parede ao se deparar com o protagonista Elliot falando conosco. Raimi Malek que antes só fazia personagens pequenos e insignificantes surge como um protagonista de primeira na série. Convincente, antissocial e sofrido. Tanto que foi indicado ao Sag Awards e ao Globo de ouro 2016 como melhor ator de drama. Outro rosto conhecido que faz parte da série é Christian Slater (que acreditem se quiser, já foi crush da minha mãe nos anos 80) ele está concorrendo a melhor ator coadjuvante de drama. Minha torcida é para eles.

Sense 8


Esta é mais uma produção da Netflix que fez um grande sucesso esse ano, ela é sobre oito pessoas conectadas, sendo cada uma de uma parte do mundo. Elas podem sentir o que o outro sente e aparecer nos lugares dos outros como se fosse uma viagem mental. Sua premissa é uma das melhores já criadas apesar da série não ter um primor de roteiro e atuação por parte de alguns, mas mesmo assim é muito boa. Ela é dirigida, escrita e produzida pelos irmãos Wachowski, os mesmos de matrix, por isso as expectativas foram altas. Tem várias cenas memoráveis, uma delas é o elenco cantando What's up do 4 non blondes.

Master of None


Outra produção da netflix. Essa é uma série sobre os questionamentos de Dev sobre a vida e tudo mais. Fiz um review sobre a série: http://speakcinema.blogspot.com.br/2015/11/review-master-of-none.html Ela foi uma grande surpresa até porque não foi muito comentada como Demolidor e Sense 8, por exemplo. Alguns comentários na netflix também estavam bastante desencorajadores, ainda bem que não fui pela ideia deles e resolvi tirar a prova por mim mesma e que excelente escolha. A série é ótima, aqueles que a criticaram não a entenderam. Aziz que é o protagonista está concorrendo ao Sag Awards e ao Globo de ouro na categoria de melhor ator de comédia. merecidissimo.

Unbreakable Kimmy Schimidt


Outra da netflix (nossa, a netflix arrasou esse ano) essa sobre uma menina ingênua que é resgatada do cativeiro de um pastor lider de um grupo pós-apocalíptico, após isso ela tem que aprender a viver na cidade de NovaYork. É provavelmente a série mais engraçada que viesse ano, me diverti bastante com a doidinha da Kimmy, Ellie Kemper se saiu tão bem como ela que foi indicada ao Sag Awards e ao Globo de ouro, Junto com oTitus,um dos melhores coadjuvantes ever e mais fashion também. Você pode ler meu review da série aqui: http://speakcinema.blogspot.com.br/2015/04/review-unbreakable-kimmy-schmidt.html

Pushing Daisies


Essa é a mais antiga da lista, é uma série de 2007 que surgiu na minha vida por acaso e me aguçou a vontade de assistir. Para falar a verdade eu estava carente de alguma série romântica, antes tinha sido How I Met Your Mother e queri a algo tão romântico quanto dai fuçando pela net e depois de ver fotos lindas de seu protagonista Lee Pace resolvi assisti-la e me apaixonei. Uma pena ter sido cancelada em 2009. Ela é sobre Ned,um fazedor de tortas que possui um dom de ressuscitar mortos com um toque, sendo que no segundo toque as pessoas morrem novamente. Ele ressuscita Chuck sua paixão de infância, mas mesmo suspirando por ela não pode tocar nela. Fiz um mini review sobre a série e um post sobre meu crush pelo Lee pace: 

Jessica Jones


Essa é a segunda série sobre herói produzida pela netflix e apesar de não ser tão boa quanto O Demolidor ela tem seus valores. Ela é mais investigativa do que de super heróis e só de ter uma protagonista forte e destemida a frente já vale a conferida. Em breve review dela aqui no blog.

O que podemos tirar como lição das séries que eu assisti:
1°Netflix destruidora mesmo. Dominando o mundo.
2°sou realmente o Rubinho Barrichello das séries.
3° tantas da Netflix e eu não assisti Narcos:(



sábado, 26 de dezembro de 2015

Review Star Wars - O Despertar da Força


          Depois de 11 anos sem Star Wars e 33 anos sem um filme da franquia realmente descente chega nos cinemas Star Wars – o despertar da força. Dirigido por J.J Abrams, ele é feito sobre medida para agradar aos fãs que estavam com tanta saudade. A única coisa difícil é escrever sobre a sinopse dele sem dar spoiler mas vamos ao básico que você precisa saber. O filme começa com Finn, um ex Stormtrooper negando- se a continuar fazendo as maldades que a primeira ordem os designa a fazer e com isso ele foge e conhece Rey, uma sucateira, e juntos com Han Solo, Chewbacca e BB8 (O robozinho mais fofo do universo) partem para uma aventura a procura de Bilbo... digo... a procura de Luke.
Antes de estrear e bater recordes de bilheteria muitos especulavam a origem dos novos personagens. Falavam que Finn era parente de algum personagem negro dos filmes anteriores (really?) e Rey seria parente de alguém muito importante também. Sim um deles é provavelmente descendente de alguém dos principais até por que não tem como você aprender a pilotar uma nave e fazer controle da mente tão rapidamente e sem treinamento algum e esse personagem fez isso. Essas cenas dele são as mais legais, junto com as da percepção de que talvez ele seja um futuro Jedi. O sabre de luz pertence a ele mas não espere saber como e porquê disso. As descendências não são explicitadas nesse filme, isso ficará a cargo do próximo filme.

          Uma das maiores reclamações do publico foi justamente esse excesso de pontas soltas. Mas isso é perfeitamente justificável já que tudo será desenrolado nos próximos filmes. Sei que isso nos deixa aflitos mas ser fã de Star Wars é isso ai. É viver de infinitas esperas. Outra critica ao filme é a falta de originalidade, todos alegaram que esse é idêntico ao A nova esperança. Como seria diferente? Essa não é uma continuação propriamente dita dos mesmos personagens, ele apresenta novos personagens para torcer e com eles mais historias sobre a jornada do herói, o que é ótimo porque acompanhamos o desenvolvimento do tal personagem assim como um dia acompanhamos a jornada de Luke Skywalker. Não sei como o publico se sentiu na época que viu A nova esperança, se eles vibraram ou acharam aquela introdução ao universo de Star Wars um pouco maçante só sei que tirando a empolgação de estar ali vendo um novo filme da saga não consegui ficar super empolgada como tantos fãs por ai. Tive exatamente o mesmo sentimento de quando assisti o episódio 4 (que não é o meu preferido) não odiei mas queria ter sentido muito mais. Talvez porque eu estava a pouco tempo habituada a esses filmes. Era recente a minha paixão por Star Wars e ver os filmes naquela semana (pela segunda vez em anos luz) me impediu de sentir aquela saudade e paixão que muitos sentiram. Nem a tal morte que ocorreu me impactou do jeito que eu gostaria. Nem o aparecimento de Han e Chewui também (já tinha visto eles num dia anterior) mas isso também se deve a animação zero das pessoas na sala de cinema que eu estava. Sim tinha muita gente com mascaras e espadas (a maioria crianças) mas os aplausos e os gritos eram tão contidos que desanimei mais ainda. Isso que dá ir assistir num shopping fino com gente de classe média alta só por causa do Imax. Chatooos.


          Assim como os anteriores quebraram preconceitos sobre as mulheres, trazendo mulheres fortes e destemidas como falo nesse post: http://speakcinema.blogspot.com.br/2015/12/o-legado-de-star-wars.html Esse quebra preconceitos raciais onde os três protagonistas fazem parte de uma “minoria” uma mulher, um negro e um latino. Todos juntos em prol de salvar uma galáxia e fazer historia no cinema. Com toda certeza isso foi de caso pensado pelo J.J Abrams e aqui ele prova mais uma vez que é o diretor que se devem convocar quando querem reviver franquias e escalar bons atores. Os três são ótimos, tão diferente dos protagonistas anteriores. Daisy Ridley, John Boyega e Oscar Isaac dão um banho de atuação em Mark Hamill, Carrie Fisher e Harrison Ford. E olha que são mais novos do que eles nos filmes anteriores. O único que deixa a desejar e não convence como vilão é Adam Driver (Girls). Seu vilão surge igualmente poderoso a Darth Vader mas sua figura imponente cai por terra quando se revela quem é por trás da máscara, um garoto com cara de hippie que ouve Magic o dia todo. Sua origem foi quase acertada pelo público, já não era lá uma grande surpresa. Gwendoline Christie (Game Of Thrones) tem uma personagem incrível em GOT e quando anunciada em Jogos Vorazes e Star Wars 7 (os filmes mais esperados do ano) houve uma grande expectativa de que suas personagens fossem tão sensacionais como Brienne mas nenhuma delas tiveram destaque. A sensação é que ela estava ali só por estar.
          Portanto Star Wars – O despertar da força é pouco original mas a nostalgia vale cada centavo, a oportunidade de ver aquela jornada novamente na pele de outros personagens é magico. Os novos protagonistas são divertidos e rendem ótimas cenas. Nos fazem rir e chorar também. A escalação de elenco não poderia ser melhor, misturados ao elenco original fica melhor ainda. Um robô fofo não substitui o robô fofo anterior, assim como os atores, os novos levariam o filme nas costas de boa, arrisco a dizer que não sentiríamos tanta a falta dos antigos mas a presença deles complementa o time e torna tudo melhor. Não foi o MELHOR filme do ano mas foi uma experiência arrebatadora da mesma forma, em Imax então... os efeitos visuais modernos deixaram tudo mais grandioso. J.J foi um verdadeiro respeitador da obra e ajudou a engrandece-la, até porque é sim um filme que merece toda essa reverencia. Recomendo até para os que não viram os filmes anteriores, pois você só precisa saber o básico do básico para se entrosar na trama. Sabendo quem é Luke, Leia, Darth e Han solo já dá para ver de boa. BB8 <3